Por que os homens mentem e as mulheres choram?

Postado por
Crônicas, Escritos

Por quê os homens mentem e as mulheres choram?

– Michael Anthony Lahue

 

Fabiana era o nome da namorada dele.  Quer dizer, da ex-namorada dele.  Só que ele mal-voltara com ela pouco antes de viajar para dar um seminário no estado vizinho.  Quem advinharia que uma das participantes teria o nome de Fabiane?  A Fabiane era uma morena linda e alta de olhos verdes de apenas vinte anos e com aparelho nos dentes.  A Fabiana era morena gostosa de olhos escuros, não tão linda quanto a Fabiane.

Ele a chamou de Fabiana várias vezes na sala do seminário.  A Fabiane sempre o corrigiu e ele sempre falava:

– Me desculpe.  Tantos nomes pra lembrar.

No segundo dia ela ficou esperando na sala depois que todo mundo saiu.  Olhou à toa pela janela durante quase dois minutos e de repente falou:

– Como Campo Grande é bonita.

– Ah, é.  – ele ficou sem jeito.

Será que essa gatinha quer alguma coisa a mais?  Amanhã eu vejo.

No terceiro dia ela foi conversar com ele depois da palestra.

– Nossa, seus conselhos me ajudaram bastante.  Tipo assim, em muito pouco tempo.  É incrível.  Você realmente sabe o que está falando.

– Muitíssimo obrigado.  Me sinto lisonjeado com seus elogios.  Gostaria de sair numa dessas noites para conversar?  Você pode me dar o seu telefone?

E daí foi.

Aquela noite na sofá, bem no fundo do barzinho, beijando muuuito…

– Cê tem namorado?

– Não.

– Mas uma moça tão linda e legal quanto você, como é que pode?  O povo dessa cidade deve ser cego e surdo.

E os beijos rolaram.

Às quatro da madrugada ela lhe deu uma carona para o hotel.  No vestíbulo de vidro os beijos recomeçaram e de repente:

– Ah!  Fabiana.

Travou.

– Não quero que você me chame de outro nome assim!  Vamos parar por aqui?

Ela foi embora.

No dia seguinte ele foi na livraria com uma colega.  Pegou um livro:

Por quê os homens mentem e as mulheres choram?  Deveria ser o oposto na minha opinião.

– Você tá doido! – disse a colega.

No almoço, na praça de alimentação, a Fabiane apareceu junto com o seu namorado, de mãos dadas.  A Fabiane entrou no banheiro e o pobre chifrudo ficou lá fora esperando.

No último dia do seminário:

– Ó Fabiane, quer passear essa noite?

– Tenho compromisso.  Mas quero te dar esse CD da Cássia Eller.  Comprei com meu primeiro salário como professora.

– Obrigado pelo presente.  Então, um beijo.  Voltarei em dois meses, viu?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *